Telefone: +55 11 2489-6960 | 0800 772 1069

Na impressão flexográfica, assim como em outros processos, pode-​se contar com diferentes tipos de tintas e tecnologias de secagem. As tintas à base de solvente são amplamente utilizadas. São compostas por resinas adequadas a aplicações específicas (conforme o produto a ser embalado e as condições de armazenagem), pigmentos ou corantes, aditivos e solventes. Este último componente é responsável por diluir as resinas. Esse tipo de tinta seca pela evaporação 
do seu solvente.
Os solventes podem ser rápidos, acelerando o processo de secagem, ou lentos, retardando a secagem da tinta em função da velocidade de evaporação. Essa versatilidade das tintas à base de solvente é extremamente importante, principalmente em situações de grande variação de temperatura, como em São Paulo, por exemplo. Nos dois casos, no entanto, a evaporação dos solventes libera vapores orgânicos que podem ser prejudiciais à saúde. Também é possível que o impresso produzido com essas tintas guarde um odor residual do solvente utilizado.
Uma alternativa às tintas à base de solventes orgânicos são as tintas com resinas acrílicas, nas quais o agente diluidor é água. Com forte apelo ambiental, essas tintas são aprimoradas a cada dia e já ocupam considerável espaço no segmento flexográfico e podem ser aplicadas sobre papéis, filmes plásticos e papelão ondulado, sendo bastante 
utilizadas nesse último caso.
Tintas que secam por cura ultravioleta também ocupam lugar de destaque na flexografia, principalmente no segmento banda estreita, mercado específico de rótulos e etiquetas. Películas de alto brilho e resistência, estabilidade do tempo de escoamento e consequente facilidade para a manutenção da densidade são alguns dos benefícios dessa tecnologia. Seu princípio de funcionamento se baseia na exposição da película de tinta impressa a radiações UV, que provocam reações de fotopolimerização e a secagem instantânea.
Uma tecnologia que apenas recentemente passou a ser utilizada, embora seus fundamentos já fossem conhecidos há bastante tempo, é a secagem por cura com feixes de elétrons (electron beamEB). Essas tintas não utilizam solventes.
Assim como no processo de cura UV, a solidificação dessas tintas ocorre após exposição à radiação, mas, nesse caso, trata-​se de feixes de elétrons emitidos por um gerador. Diversamente das tintas UV, base solvente ou base água, a secagem das películas de tinta acontece ao final do processo — não há secagem entre as unidades impressoras. Assim, numa sequência de impressão, a segunda tinta é impressa sobre a primeira, ainda úmida. Esse aspecto tem levado muitos técnicos a questionar a qualidade de impressão, principalmente na sobreposição de cores sólidas. No entanto, testes realizados por fornecedores e a experiência dos usuários dessa tecnologia mostram que, mesmo sob condições de impressão “úmido sobre úmido”, obtém-​se elevados índices de aceitação da segunda tinta pela primeira (trapping). Por outro lado, o processo de secagem apenas no final da impressão, de todas as cores, minimiza problemas de variação dimensional dos substratos, que podem decorrer da secagem intermediária, com evidentes vantagens 
no controle do registro.
A cura por feixe de elétrons proporciona películas de alto brilho e resistência com menor consumo de energia. Outra vantagem dessa tecnologia é o melhor controle do ganho do ponto, possível graças ao elevado tempo de escoamento das tintas EB, podendo atingir até 45 segundos em medições com copo de escoamento modelo Ford 4. É conveniente lembrar, no entanto, que a instabilidade dimensional do suporte e o ganho do ponto podem ser controlados e também minimizados em processos com tintas base água ou solvente por meio de um eficiente controle de processo. Curvas de ganho do ponto, controle de secagem, refrigeração e tensão do suporte são algumas das alternativas para igualar as condições de máquina e os resultados com o uso de qualquer tecnologia de tinta.
Uma característica comum às tintas EB, UV, base solvente ou água, é a necessidade do tratamento superficial de filmes plásticos para que sua tensão superficial seja superior a 40 dinas/cm. O ajuste do tempo de escoamento das tintas EB é feito por meio do controle da temperatura, entre 22°C e 27°C. Isso pode ser uma dificuldade já que a climatização dos ambientes de impressão é rara em nosso país.
No caso de impressão em máquinas modulares, a aplicação da cura EB encontra obstáculos ainda a serem superados. No processo em linha, a tinta úmida soltaria nos cilindros condutores até chegar ao próximo grupo impressor. Para eliminar esse problema, seria necessária a instalação de unidades de cura EB na saída de cada grupo impressor, um custo extremamente elevado e que inviabilizaria a adoção da tecnologia. O excesso de radiação aplicado ao suporte poderia prejudicar, de alguma maneira, as características dos 
substratos utilizados.
A Fremplasst possui uma linha de tintas extensas para atingir suas necessidades, conheça nossa linha de produtos em nosso site ou entre em contato pelo telefone: (11) 2489-6969

Sobre a Fremplast
Desde 1976, sediada em Guarulhos, a Fremplast vem tornando-se referencia na fabricação de tintas, vernizes e insumos para a linha gráfica, serigráfica e digital e na representação de equipamentos. Todos os seus produtos são fabricados com a mais alta qualidade e tecnologia industrial com padrão ISO 9001:2008, além da constante preocupação com meio ambiente e a sustentabilidade.

Fonte: revista tecnologia gráfica